Tecnologia da Informação e o Covid-19

Somos uma empresa de TI. Lidamos com tecnologias para coleta, transmissão e apresentação de informação. Estamos focados no mercado corporativo, portanto nosso objetivo é propiciar as empresas ferramentas e aplicativos para coletar, analisar e integrar informações e assim compor e alimentar seus sistemas de gestão.

As empresas precisam das mais precisas informações para nortearem suas decisões e estratégias. Assim como governos, entidades em geral e o indivíduo. Todos nós carecemos de informações corretas. É muito antiga a expressão; “O segredo é a alma do negócio”. Aqui está expresso a intenção de manipulação da informação, ou seja, não deixar o próximo saber de algo que você sabe. Dai evoluir-se para a mentira é muito fácil, já que o próximo não sabe, por que não o induzir a erro?

A tecnologia está à disposição de todos, tanto para o bem como para o mal. A transparência é a defesa! Há dois meses fizemos um paralelo do uso da informação usando o portal da transparência https://transparencia.registrocivil.org.br/inicio como paralelo, tendo o covid-19 como referência, por ser um assunto em pauta e de conhecimento geral.

Nascimentos: 109.935.678 registros 112.435.846 registros 112.638.601 registros

Casamentos: 29.393.801 registros 29.964.238 registros 30.289.381 registros

Óbitos: 30.789.229 registros 31.665.702 registros 32.110.920 registros

Total: 170.118.708 registros 174.065.786 registros 175.038.902 registros

Os dados acima foram coletados no referido portal nos dias 14 de junho, 14 de julho e 14 de agosto respectivamente.

Ainda carecemos de confiança nas informações a despeito dos vários recursos propiciados pela tecnologia, causando muitas vezes a impressão de que estes recursos não são devidamente usados. Muitas vezes utiliza-se de ferramentas diferentes para mostrar os mesmos dados em vez de investir na melhoria contínua de ferramentas específicas.

O mérito principal do portal está na seleção de alguns poucos dados genéricos básicos; nascimentos, casamentos, óbitos e total dos registros. Isto permite verificar a sua consistência ao longo do tempo e com o uso contribuir para sua melhoria. Notamos nestes três momentos de observação dos dados incoerências que comentaremos na sequência, mas que em nenhum momento desqualifica a iniciativa.

Neste momento no ano tradicionalmente começamos a trabalhar na projeção de nossos negócios para o próximo ano, como faz qualquer empresa, algumas de forma mais sofisticadas outras mais empíricas e muitas vezes apenas intuitivamente sem qualquer estruturação. Nosso contesto, este ano inclui o Covid-19, incorporado ao nosso dia a dia desde março deste ano.

Nosso objetivo aqui, portanto, é tentar calcular os impactos da pandemia em nosso planejamento. Afinal, com a vacina chegando em algum momento, a economia segue seu curso e os agentes econômicos tratam de precificar cada fator. A tabela abaixo é a mesma publicada há dois meses, https://intemobile.com/2020/06/17/2020-covid-19/, agora incorporando os dados atualizados. Observamos que todos os meses tiveram seus dados alterados. Há alterações mais significativas mensalmente, para os anos iniciais; 2015/16 e 2017 que nos mais recentes 2018 e 2019, indicando que diariamente chegam novos dados. Por exemplo, o total de registros de óbitos de 2015 a 2019 no dia 14/06/2020 era de 4.969.933 e em 14/08/2020 5.301.582, portanto, 331.649, ou 6,7% mais óbitos foram registrados em dois meses para aqueles períodos. Destes 69,144 (8,7%) foram acrescidos em 2015 e 25.852 (2,1%) em 2019.

Entretanto o dado mais discrepante está no número de nascimentos do ano de 2018. Na primeira versão em 14/06 o total era de 3.731.316, 53% mais que em 2017 e incoerentemente, 38% mais que o ano seguinte, 2019. Na revisão de 14/07 este número apareceu ligeiramente alterado para 3.750.966. contudo agora em 14/08 aparece com 2.717.996, muito mais coerente por ser um pouco inferior ao ano seguinte, embora ainda bastante superior a 2017, indicando ainda algum problema.

Há outras pequenas incoerências e erros na navegação no portal, mas nada que o uso não possa corrigir.

Com relação ao covid-19 o portal aponta número pouco inferior a 100.000 até aqui, menos que os 107.000 já divulgados na imprensa. Contudo explica-se aqui o prazo legal que os cartórios têm para comunicar os registros.

O total de óbitos apontado no portal até o final de julho de 2020 é de 798.352. Em 2019 até julho é de 731.611; no ano de 2018, 691.566; 2017, 588.161; 2016, 579.947 e 2015, 513.820. No ano de 2016 houve um aumento de 66.127, 12,8% sobre 2015. Em 2017, 8.214, 1,4% sobre 2016. Em 2018, 103.495, 17,5%. Em 2019, 40.045, 5,7% sobre 2018. E, em 2020, 66.741, 9,1% sobre 2019, incluindo os quase 100.000 de óbitos reportados como sendo Covid-19.

Ressalvados os possíveis erros, as providencias tomadas para controlar a pandemia surtiram efeito, afinal se excluirmos os óbitos atribuídos ao Covid 19, há menos óbitos em 2020 até julho que no mesmo período em 2019, que fere a lógica, portanto merece melhor análise. Mesmo assim é de se esperar que estas providencias continuem e relaxamentos ou retração continuarão acontecendo. Assim, atividades home office, controle de aglomerações e redução no nível de transportes em geral devem ser consideradas em nossas projeções.

Por outro lado, estas mesmas iniciativas continuarão a gerar outras oportunidades, como aumento no e-commerce e outros.

Por fim, para ilustrar a contribuição do portal, vale a pena notar entre outras informações interessantes ali existentes, o número de óbitos desconhecidos registrados a partir de 15/05/2015 totalizando 98.241 pessoas.

Só para reflexão.

Enídio Mauro Molinari

2 comentários em “Tecnologia da Informação e o Covid-19”

  1. Muito interessante sua análise em relação aos dados coletados com destaque ao menor número de nascimento e óbitos se comparados ao mesmo período de 2019. A reflexão que faço é que, por mais informações que tenhamos, os números sempre carecem de confiabilidade e da interpretação dos mesmos. Como seria 2020 sem COVID? Não dá pra saber. Apenas imaginar.

    1. Obrigado por seu comentário Célia. Há muito mais contradições nos detalhes mensais não expostos na tabela. A confiabilidade dos dados aumenta a medida que são usados. O propósito deste artigo é estabelecer um paralelo com o mundo corporativo. Quantos balanços e relatórios oficiais de empresas não são revisados? Não há nada de errado nisto, contanto que os erros sejam corrigidos e, principalmente, não voltem acontecer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Envie sua mensagem whatsapp